Estratégias para desenvolvimento de bioquerosene e renováveis são discutidas em seminário
Publicado: 26/06/2018 16:40 | Atualizado: 31/10/2018 11:53
Alexandre Landim Alexandre Landim

As estratégias para desenvolvimento de bioquerosene e renováveis em Minas Gerais foram discutidas nessa terça-feira, 26, durante um seminário realizado no auditório do BDMG. As ações do Governo de Minas para promover o desenvolvimento das cadeias produtivas de biocombustíveis, além da contribuição com o processo de redução das emissões de CO² provenientes do setor de transporte aéreo foram alguns dos temas apresentados durante o evento, promovido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SEDECTES) e com a participação de diversas Instituições de Ensino Superior (IES).    

Representantes da secretaria apresentaram o Plano de Desenvolvimento da Plataforma de Biocombustíveis e Renováveis e mostraram como Estado está discutindo e elaborando ações com relação ao tema. Instituições mineiras de ensino superior também participaram do seminário mostrando as estratégias adotadas em diversos municípios mineiros. A integração das universidades com o Estado tem tido grande importância e contribuído no cenário estadual. 

O secretário Vinicius Rezende participou do seminário e falou sobre as estratégias para desenvolvimento de bioquerosene e renováveis em Minas Gerais. “Nosso Estado pode contribuir significativamente nessa cadeia produtiva. Contamos com o apoio de diversas instituições de ensino superior e essa conexão pode trazer bons resultados”, explica.

Redução das emissões de CO²

Em decorrência das mudanças climáticas e da preocupação ambiental, o setor aeronáutico vem buscando adotar medidas que contribuam para a redução dos impactos ao meio ambiente. A indústria de aviação é responsável por 2% das emissões de dióxido de carbono produzidas pelo homem e esse percentual vem aumentando. Nesse sentido, iniciativas relacionadas à viabilização e produção de biocombustíveis para a aviação estão sendo desenvolvidas no intuito de apoiar a redução da emissão de gases do efeito estufa (GEE) provenientes do setor de transporte aéreo, no qual o Brasil é um dos maiores mercados do mundo.

A Sedectes coordena um projeto de plataforma de bioquerosene e renováveis. A intenção do Estado é alavancar esta plataforma com intuito de desenvolver toda a cadeia produtiva de biomassa e tecnologia de produção de bioquerosene para atender uma demanda do setor aeroespacial que é ter um novo combustível alternativo em substituição gradativa do combustível fóssil para reduzir as emissões de CO² na atmosfera.

Minas Gerais apresenta uma série de atrativos que torna o Estado atrativo para o desenvolvimento da cadeia do bioquerosene para aviação (BioQav). A agroindústria possui vantagem competitiva e se estende por todo o território, que possui amplo espectro de características geográficas e climáticas ideais para o desenvolvimento de diversas culturas com potencial bioenergético necessário para a cadeia de valor.

Outro fator que pode contribuir na cadeia produtiva do bioquerosene no Estado é a localização do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, já que o terminal aéreo poderá se adequar para se tornar um ponto de distribuição e abastecimento de BioQAv, incluindo rotas nacionais e internacionais. Dessa forma, Minas Gerais teria o primeiro “aeroporto verde” do Brasil.

Além da bioquerosene, esta cadeia poderá atender a demanda por diesel verde, oleoquímico, alimentação animal e humana, fármacos e cosméticos, carvão ativado, siderurgia e correlatos, além de envolver também tecnologias para tratamento de resíduos pra geração de energia. Além disso, a macaúba é uma grande alternativa para o setor devido suas características de alta produtividade além de ser favorável ao meio ambiente para a recuperação de áreas degradadas, bacias de rios e nascentes, sendo também uma nova alternativa para os pequenos e grandes produtores.